Noticias

Histórias de amor, em tempos de pandemia

Cumplicidade, amor e viagens

Eles gostam de viajar. Poupam cada centavo para conhecerem juntos lugares próximos, distantes e alguns até exóticos. O casal de namorados pensa em ter uma vida juntos e construir uma família, com filhos e muito amor. Renan Amaro Ferreira, 29 anos e Bruna Stefane, 30 anos, encontraram, neste ano, uma forma simples e muito valiosa de comemorar o Dia dos Namorados, na última sexta-feira (12): fizeram em casa um jantar a dois e não abriram mão da data, que consideram importante para o casal. Durante o jantar, dividiram alguns minutos com a equipe de redação do portal Utam e contaram um pouco do que pensam sobre amor, cumplicidade, respeito e empatia no relacionamento em tempos de pandemia e o que esperam para suas vidas daqui para frente.

Ele é vendedor de café do Grupo Utam há 10 anos. Ela é gestora de Recursos Humanos e, no momento busca uma oportunidade de trabalho. Os dois namorados dizem que, enfrentar esse momento difícil da quarentena juntos dá força um para o outro. Mesmo vivenciando este cenário, sonham, fazem planos e não veem a hora de tudo acabar para voltarem a viajar: o que mais gostam de fazer juntos. O casal já esteve em vários lugares e uma das viagens que mais deixou registros, histórias e muita saudade foi a região do Mar do Caribe, na Colômbia. 

Com mochilas nas costas ou malas de viagens em aeroportos, já completaram uma boa quilometragem neste tempo de namoro, conheceram cidades brasileiras  como Natal e Florianópolis.

Os dois seguem as rotas a sós ou entre amigos. Tudo depende de cada viagem, mas quando vão só os dois, sempre há espaço e tempo para conhecerem novos amigos. Como foi na ida à Colômbia, conheceram um casal lá que tornaram-se grandes amigos, a Jéssica e o Clenisson, e pretendem fazer outra viagem para todos se reencontrarem.

Renan e Bruna se conheceram através de um amigo dele e uma prima dela que namoravam na época, mas o relacionamento que acabou dando certo foi o deles. Depois daquele dia, se conheceram mais, saíram outras vezes e o namoro foi inevitável e bem longo, pois já ultrapassou a marca dos 10 anos. O próximo passo é o casamento, já que ficaram noivos há quatro anos. Eles estão organizando a vida e a nova família que formarão, a cada viagem, pois como são jovens e sonhadores, preferem antes conhecer um pouco do mundo e aproveitarem a beleza dos caminhos juntos e namorando sempre.

O apartamento que será o primeiro lar já está pronto e aos poucos a ideia do casamento vai ganhando forma. De uma coisa eles têm certeza, antes de oficializarem o grande passo desta história de amor conhecerão a Tailândia, um sonho de ambos.  Os planos estão traçados para o próximo ano, assim que a pandemia for controlada. Ees prometem que vão colocar o sonho em prática e arrumarão as malas.

Segundo o casal, nesta fase de quarentena, com distanciamento social e isolamento para algumas pessoas, eles têm ficado ainda mais unidos e aprendendo muito com a nova fase.  Bruna diz que percebe que os relacionamentos, na grande maioria dos casos, passam por algumas dificuldades, mas recomenda “cada um tem que cuidar do seu companheiro, alinhar a relação e sempre pensar no futuro”. Bruna acredita na força do companheirismo e que todos devem ter paciência. Os dois concordam: é preciso viver um dia de cada vez com harmonia, conversar bastante e não deixar de planejar os dias que virão pela frente, mesmo que algumas decisões provoquem medo ou ansiedade.

O café desde o primeiro encontro: união e diálogo

“Foi amor à primeira vista”, diz Karen Baldin, estudante de zootecnia, 22 anos, e namorada da estudante de engenharia de alimentos, 22, Evelin Shayuri Barros, que  se conheceram numa organização estudantil, na faculdade, em Pirassununga.  A primeira conversa surgiu ali no espaço universitário sobre assuntos técnicos.

Já o primeiro encontro depois que se conheceram foi marcado por uma bebida que uniria as duas estudantes durante todos os dias: o café. Foi em uma cafeteria, próxima à faculdade que se encontraram para conversar mais. “Falamos de coisas banais. Eu tinha acabado de fazer uma apresentação da minha iniciação científica e estava nervosa, por achar que tinha ido mal”, comenta Evelin. Logo depois, segundo Karen, os gostos das duas se harmonizaram. “Vimos que tínhamos os mesmos valores”.

Com um ano e meio de relacionamento, todas as manhãs e tardes, elas se reúnem  sozinhas ou com a família para conversar sobre o dia e as projeções para a semana. Além de manterem as idas à cafeteria que um dia as uniu.

Apesar das duas gostarem muito de café, Evelin tem sua preferência. “Eu gosto do café que ela faz e também aprecio o café que a  irmã dela faz para nós ou da sua mãe”, revela.

Os encontros para os tradicionais cafés que nutrem essa história de amor, sempre têm acompanhamentos e algumas delícias na mesa, como bolo ou bolachinha. “Em algumas situações fazemos em casa e, em outros dias compramos bolo e pedimos para nos entregar”, relata Karen. As duas gostam de bolos simples, de fubá ou laranja. Segundo ela, em sua casa, o ato de beber café é um ritual, um ponto de reunião entre a família. “É comum sair três ou quatro garrafas de café, em uma tarde”, explica.

Sobre a quarentena, a zootecnista explica que essa fase acabou as unindo mais, “pelo fato de termos que ficar em casa e juntas”. A engenheira de alimentos concorda e analisa o período como uma chance de repensar muitos assuntos e valores, principalmente sobre relacionamentos humanos. “Passando o dia nesta quarentena com a pessoa que amamos, temos condição de refletir se é com ela mesmo que queremos ficar”, revela Evelin

Como dica para os casais manterem o companheirismo durante qualquer época, Evelin e Karen revelam uma artimanha que utilizam. “Nós sempre tivemos um tempo nosso que se chama 15 minutinhos, como se fosse nosso ritual. E quando está tudo uma correria, falamos: ‘agora é nosso tempo, para conversar, relaxar , parar e colocar tudo em ordem. Acho que isso falta muito entre as pessoas. É um tempo pequeno, mas se há uma conversa sincera, pode acertar muitos pontos”, conclui Karen.

Publicado em: 17/06/2020 por Café UTAM S.A.

Ultimas Notícias

Nesta sexta-feira, 19 de junho, a cidade de Ribeirão Preto comemora 164 anos. Para celebrar a data, o Grupo Utam, que nasceu na cidade há 50 anos, lança uma...
Veja Mais.

“Água pro café, mão pro cafuné...”. É com essa frase que o cantor e compositor Evandro Navarro começa a letra de sua...
Veja Mais.

O dia de hoje começou do jeito que todo coffee lover gosta: com aquele friozinho que combina bem com um bom café encorpado, saboroso, capaz de trazer um aroma que...
Veja Mais.

Copyright © 2020 Café Utam
Telefone:
Matriz: Ribeirão Preto - SP – 16 2101 3101
Filial: Piumhi - MG – 37 3371 2544
São Paulo - 11 3660 1760
Belo Horizonte - 31 3416 7774
Informações da Empresa | Contato
logo PI